O Bioquímico na Industria: Validação na Industria Farmacêutica

por | maio 5, 2020

Pablo Marinho é Bacharel em Bioquímica formado pela UFSJ e já atuou em cervejaria e agora em uma indústria farmacêutica e de cosméticos (Farmax).

Como você decidiu ingressar no curso? Você já sabia que o bacharel em bioquímica era um profissional da química com várias áreas de atuação e que você teria que estudar muita química?

R: Ao final do ensino médio não tinha um curso de graduação já escolhido. Tinha algumas opções, dentre elas, a Bioquímica. Escolhi o curso por ter afinidade com Química e Biologia e também por ser oferecido em uma universidade federal na minha cidade. Já tinha uma noção que estudaria bastante química, porém não conhecia muito a fundo sobre o mercado de trabalho e as diferentes áreas de atuação do profissional.

Nos conte como foi sua trajetória acadêmica. O que mais fez os seus olhos brilharem  quais as dificuldades ao longo da graduação?

Ao longo da graduação tentei aproveitar o máximo de oportunidades. Participei de muitas palestras, minicursos e também tive a oportunidade de ministrar monitorias e participar de eventos científicos. Além disso, realizei projeto de iniciação cientifica, o que me permitiu ter uma maior visão sobre as atividades de pesquisa. Participei também do PET Bioquímica, onde realizei atividades de ensino, pesquisa e extensão e, ao fim do curso, fiz estágio na Polícia Civil de Minas Gerais, área de Perícia Criminal. Todas as experiências que pude ter foram importantes para minha formação, porém a melhor delas foi o estágio fora da academia, na Polícia Civil. Nele pude ter uma melhor visão sobre o mundo profissional fora da academia, o que me ajudou a optar por não fazer de imediato um mestrado, mas sim tentar ingressar no mercado de trabalho. Com relação às dificuldades, acredito que a maior tenha sido encontrar empresas da região para fazer estágio, principalmente indústrias. Mas tenho percebido que esse cenário melhorou bastante. Recomendo enfaticamente a todos os bacharéis em bioquímica que se obriguem a fazer um estágio fora da academia, ainda que você queira seguir a área acadêmica, pois nunca se sabe o que o futuro reserva.

Nos conte agora a sua trajetória profissional até aqui? 

Minha trajetória profissional é relativamente curta. Após colar grau, tentei ingressar no mercado de trabalho em empresas próximas da minha região. Fiquei na tentativa da primeira oportunidade por cerca de 7 meses até que consegui ser contratado como técnico de laboratório em uma faculdade. A medida que o tempo foi passando, senti a necessidade de buscar uma vivência no ambiente industrial. Após alguns meses, surgiu a oportunidade de trabalhar com Controle de Qualidade em uma indústria de bebidas (cervejaria) o que me permitiu ganhar experiência com a rotina de uma indústria, cobranças, gerenciamento do trabalho e do tempo, além do desenvolvimento das habilidades específicas da área. Recentemente surgiu a oportunidade para trabalhar na minha cidade em uma indústria de cosméticos e produtos farmacêuticos, no setor de validação, uma das sub-áreas da Garantia e Controle de Qualidade na indústria.

Você poderia fazer uma breve descrição da sua rotina (dia-a-dia) de trabalho? No que difere o ambiente de trabalho nesta área do ambiente de trabalho acadêmico (universitário)?

No meu caso, trabalho com validação de processos, que é uma série de procedimentos que buscam assegurar que uma linha de produção capaz de fornecer, de forma constante, consistente e reprodutível, produtos que atendam às especificações industriais e regulatórias, e no caso da indústria farmacêutica que atendam também a saúde humana. Minha rotina, de forma ampla, consiste em elaborar protocolos de validação, acompanhar processos industriais (preparação, envase e embalagem) e avaliar alguns parâmetros específicos em relação a eles. A partir desses acompanhamentos, os dados obtidos são analisados e os relatórios de validação são elaborados. Acredito que o ambiente acadêmico possibilita maior flexibilidade de horários e mais tempo disponível para a execução do trabalho e para a entrega de resultados. Além disso, no meu ponto de vista, acredito que no ambiente acadêmico há uma margem de erro maior também com relação aos resultados obtidos. Em contraste, nas empresas o funcionário precisa cumprir uma jornada de trabalho estabelecida, as tarefas a serem desempenhadas são mais bem definidas e o nível de cobrança e entrega de resultados é maior.

Como você aplica os conhecimentos adquiridos no curso no seu dia a dia de trabalho?

Para o setor de validação, principalmente de metodologia analítica, os conhecimentos mais utilizados são de Química (orgânica, analítica, inorgânica etc.), Métodos Espectrométricos e Instrumentais e Microbiologia. Os conhecimentos de Estatística também são importantes, principalmente no tratamento de resultados e dados obtidos em acompanhamentos. Além disso, os conhecimentos que não estão nos livros e artigos são essenciais, como capacidade de gerir a sua própria rotina de trabalho, gestão do tempo, comunicação interpessoal, escrita e a capacidade de sempre aprender novas coisas.

No que difere o seu atual cargo como um CLT (ou concursado) de um bolsista academico em termos de responsabilidades, atribuições, direitos e deveres?

Como CLT tenho uma jornada de trabalho a ser cumprida, registro da atividade na carteira e consequentemente, direito a férias, décimo terceiro, FGTS entre outros. Já como bolsista, não há esses benefícios mencionados. Porém, no sentido de responsabilidades, acredito que cada um, CLT ou bolsista, deve realizar da melhor forma possível e com profissionalismo, desde que se propôs a isso.

Como surgiu esta oportunidade de emprego para você? Quais as dificuldades que você sentiu na busca por emprego? Você contou com ajuda de amigos, familiares, recrutadores?

Sempre que possível estava procurando oportunidades para me candidatar para vagas nesta empresa atual. Já havia tentado algumas, porém sem sucesso. Com relação a vaga que estou, a empresa divulgou no site próprio e no Linkedin. Me candidatei nas duas plataformas. Minhas maiores dificuldades na busca por trabalho foi a carência de empresas na região em que queria trabalhar. Além disso, quando surgia alguma vaga de interesse, às vezes a Bioquímica não era incluída nos cursos. Outra dificuldade foi a ausência de feedback por parte dos recrutadores. Contei com ajuda de colegas de profissão quando buscava ingressar na indústria de bebidas, visto que alguns deles eram funcionários da empresa. Já no meu trabalho atual, ao longo das tentativas, já cheguei a enviar meu currículo para algumas pessoas da empresa, através do Linkedin, na tentativa de obter ajuda. Mas especificamente para a vaga que estou, foi só a candidatura mesmo.

Que características técnicas (disciplinas) e humanísticas você acha que o bioquímico deve desenvolver para trabalhar nessa área?

Quanto as disciplinas, seriam as que mencionei no tópico 5. Mas além delas, é importante que o bioquímico busque aprofundar os conhecimentos em excel (principalmente), conhecimentos em inglês e também o conhecimento de si mesmo, daquilo que você tem interesse em fazer e buscar mais conhecimentos e habilidades nisso. Outras características que são importantes, no meu ponto de vista, é a capacidade de gerenciar suas atividades, saber comunicar com as pessoas e ter um bom relacionamento interpessoal e senso de equipe. O curso de Bioquímica nos dá uma base ampla para poder trabalhar em diversas áreas, inclusive na validação, o que acho bem vantajoso. Outra vantagem é que o curso de bioquímica, por ser multidisciplinar, nos instiga a buscar conhecimento em diferentes áreas, desde biológicas, exatas e até humanas. Porém algumas empresas ainda absorvem mais o Farmacêutico ou Químico. Mas acredito que aos poucos esse cenário tem mudado.

Com base na sua experiência, que conselhos você daria ao atual aluno de bioquímica?

Meus conselhos são para aproveitar ao máximo cada oportunidade que surgir, mesmo aquelas que não acha tão interessante no momento. No final, cada uma delas ajudará a definir melhor qual área quer seguir, além de somar para a bagagem profissional e formação pessoal. Em especial, aconselho a cada aluno a realizar estágios e não somente focar em atividades de pesquisa acadêmica. O estágio é essencial para conhecer o ambiente profissional fora da Universidade e ajudará a ingressar no mercado de trabalho. O último conselho que dou é: sejam ousados e não tenham medo de se candidatar a alguma oportunidade de estágio ou de trabalho. Às vezes uma excelente oportunidade é perdida simplesmente pelo fato de não tentar.

Compartilhe este artigo:

Bioquímica Brasil

O movimento Bioquímica Brasil foi fundado em 2014 por egressos e estudantes dos cursos de Bioquímica.

bioquimicabr@gmail.com

Bioquímica Brasil

O movimento Bioquímica Brasil foi fundado em 2014 por egressos e estudantes dos cursos de Bioquímica.

bioquimicabr@gmail.com

0 comentários

Enviar um comentário

REDES SOCIAIS & CONTATO

FACEBOOK LINKEDIN INSTAGRAM

bioquimicabr@gmail.com

FACEBOOK
LINKEDIN
INSTAGRAM

bioquimicabr@gmail.com

Bioquímica Brasil ©. Divulgando a ciência Bioquímica desde 2014!