O que há nas entrelinhas da mineração?

por | fev 11, 2021

Ao falarmos sobre as operações de mineração no Estado de Minas Gerais, nos vêm à mente os trágicos rompimentos das barragens, o caso em Mariana, que ocorreu em 2015 deixando um grande rastro de destruição pela bacia do rio Doce e 19 mortos; e o caso em Brumadinho, ocorrido em 2019 que deixou quase 300 mortos, 13 desaparecidos e danos ambientais irreparáveis na bacia do rio Paraopeba.

Figura 1- Lama do rompimento da barragem de Brumadinho- MG

Foto: Corpo de Bombeiros/ Divulgação

Fonte:https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2019/01/25/bombeiros-e-defesa-civil-sao-mobilizados-parachamada-de-rompimento-de-barragem-em-brumadinho-na-grande bh.ghtml

Engana-se ou iludi-se, quem pensa somente por esse viés. As atividades minerárias são parte da formação do Estado de Minas Gerais. Desde o período colonial já havia centenas de lavras de ouro aluvionar na região central (o desenvolvimento da região advém da extração do ouro). Atualmente, Minas Gerais é um dos maiores polos de extração de minério do país, esse portfólio de operações é responsável pelo giro de moeda e empregabilidade, além da promoção da tecnologia e da tão sonhada urbanização. No entanto, se torna interessante atentar-se aos possíveis impactos negativos da mineração, e assim desenvolver um novo olhar crítico sobre a riqueza do minério e a sua utilização.

Para que o minério tenha o valor comercial desejado, ele é submetido a alguns processos de separação, onde é necessário água e substâncias químicas. Após a separação há uma "sobra" denominada rejeito, que é destinado às barragens, para evitar que seu curso alcance os rios. Os mesmos são minérios pobres, rochas, sedimentos, sobras de pedras preciosas e semi-preciosas (em região de garimpo), e a junção de ferro, manganês, alumínio e outros metais pesados. Partindo destas  informações, podem-se ter duas explicações primárias para os rompimentos de barragens, sendo: naturais, na ocorrência de tremores intensos que possam comprometer a estrutura da barragem; e de planejamento, acometidos por erros técnicos como cálculos equivocados e/ou a não fiscalização efetiva e adequada.

Fonte: Próprio Autor (2020).

Os ecossistemas associados as regiões de atividade mineradora possuem registros anteriores aos desastres da ocorrência de metais pesados tanto na água quanto no solo. Desta forma, podemos entender que, por exemplo, na água chegam metais pesados por razões naturais de acordo com a geomorfologia da região. No entanto, também ocorre aporte destes compostos no ambiente por ações antrópogênicas, e de fato estas ações levam a entrada dos metais de forma mais rápida e mais intensa. O rompimento das barragens de rejeito é um grande exemplo destas ações, sendo que, neste sentido há vários fatores a serem observados. O primeiro deles é a BIOACUMULAÇÃO, processo onde substâncias ou compostos químicos são absorvidos pelos organismos. Esse processo ocorre de modo simultâneo de duas formas, sendo a forma direta, quando as substâncias são adquiridas através do meio ambiente, e a forma indireta pelo consumo de alimentos que contêm essas substâncias. Com a ingestão desses compostos, fazendo uma analogia com os metais pesados presentes no rejeito daquela barragem que rompeu, o organismo pode desencadear problemas respiratórios, cardiovasculares, neurológicos, entre outros.

Fonte: Próprio Autor (2020).

Para a determinação do efeito tóxico do metal pesado no organismo, é necessário saber a associação dos compostos orgânicos e inorgânicos por ele formado, a quantidade ingerida do metal e o tempo de exposição. Pode-se dar um enfoque maior no Mercúrio (Hg), que em sua derivação alquilmercúrio pode tendenciar a bioacumulação. Os compostos mercuriais, são aqueles que afetam de maneira reversível e irreversível o Sistema Nervoso. Especificamente, o mercúrio é um elemento químico pertencente ao grupo de metais de transição, tendo como 80 seu número atômico. Se exposto ao vapor de mercúrio, ele pode penetrar facilmente nos alvéolos pulmonares, na barreira hematoencefálica e na placenta, devido à sua alta lipossolubilidade.

Deve ser ressaltado que os seres humanos retêm 80% do mercúrio inalado. Sendo absorvido pelos pulmões, o mercúrio infiltra de imediato na corrente sanguínea. No sangue, acontece sua oxidação passando da forma elementar (Hg°) para a forma inorgânica divalente (Hg2+) por meio da catalase hidrogênio-peroxidase. Sendo assim, o mercúrio se liga às proteínas do plasma e aos eritrócitos. Com as modificações ocorridas com o metal ele perde sua propriedade de solubilidade, propiciando então, a sua instalação no cérebro com hesitação em ser liberado. São necessários alguns fatores para que aconteça a oxidação do vapor de mercúrio, tais como: a concentração da enzima catalase no tecido e a produção endógena de hidrogênio - peroxidase que é uma condição peculiar de cada indivíduo. A partir disso, pode-se entender como a intoxicação por vapor de mercúrio afeta de maneira diversa o organismo havendo assim, a variância entre mais leve e grave. Seriam sintomas de intoxicação por vapor de mercúrio: excitabilidade, irritabilidade, perda de memória, insônia e tremor.

Outro fator a ser analisado, seria a poluição dos recursos hídrico os e do solo além da perda de biodiversidade. A devastação pós rompimento é imensurável, a perda de plantas e animais nativos, a contribuição para a escassez de água, e a improdutividade do solo para atividades agrícolas nos apontam, mais duas problemáticas: a extração e beneficiamento do minério e consequentemente a sociedade afetada. Barragens rompidas provocam a liberação imediata de enorme quantidade de rejeito, formando uma onda de lama com grande velocidade e poder de destruição.

Sobre a extração e beneficiamento do minério, temos o princípio do "Poluidorpagador", pela sugestividade do termo o responsável pela atividade poluente tem como obrigação arcar com os custos da reparação pelo dano causado, ou seja, na atividade minerária é responsável pela restituição da área explorada. Sabe-se que nenhuma área voltará a ser o que era, mas o "'x" da questão é: se realmente há a restituição, como é feita, e se é de forma adequada.

No âmbito social o assunto é mais amplo. O mais preocupante é a carência de informações sobre o que ocorre nas operações da mineração, desta forma não há o estímulo de auto-cuidado, e preservação da população. Com a pandemia da COVID19 as atividades perduram, havendo o deslocar das pessoas e assim o aumento da disseminação viral, os números de contaminação comprovam essa "exposição". Na região onde houve o rompimento da barragem, as atividades econômicas que poderiam ser o suspiro de moradores neste momento instável, não são mais possíveis, " o Sr. José, não pode mais garimpar e a Sr. Maria, não têm terra fértil para plantar".

Há ainda a mudança radical pela qual os moradores afetados são submetidos, o deslocar de sonhos e o apagar da história são presentes em suas vidas. A mudança na vida daqueles que ao sentimento de amor, propriedade e tradição, têm-se o sentimento de medo, angústia e dependência. Surge assim, a indagação do real  estado (seja mental, econômico e social) das pessoas que foram, são e irão ser afetadas.

O objetivo deste texto, é instigar você leitor, a discussão das vantagens e desvantagens da mineração. E, principalmente lhe possibilitar uma nova visão crítica, do que há nas entrelinhas desta atividade.

Referências:

MUNIZ, Daphne.H.F.; OLIVEIRA-FILHO Eduardo.C. Metais pesados provenientes de rejeitos de mineração e seus efeitos sobre a saúde e o meio ambiente. RevistaUniversitas: Ciências da Saúde da UNICEUB,V. 4, n. 1 / 2, p. 83- 100, 2006. Acesso em: 13 de ago. de 2020.

ALVES, André Naves. Histórico e importância da mineração no Estado. Revista do legislativo, Belo Horizonte: Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, n. 41, p. 27-32, jan./dez. 2008. Acesso em: 13 de ago. de 2020.

MILIONI, A. L. V. ; BALAZS, N. V. ; MOURA, A. L. A. ; ZACHI, E.C. ; BARBONI, M. T. ; VENTURA, D. Impacto neurotóxico do mercúrio no sistema nervoso central avaliado por testes neuropsicológicos no sistema nervoso autônomo avaliado pela pupilometriadinâmica. Neurotoxicologia (Park Forest South), v. 16, p. 161, 2016. Acesso em: 14 de ago. de 2020.

NACIONAL Jornal. Rompimento da barragem da Vale em Brumadinho completa um ano.25 jan. 2020.Disponível em: <https://g1.globo.com/jornalnacional/noticia/2020/01/25/rompimento-da-barragem-da-vale-em-brumadinhocompleta-um-ano.ghtml>. Acesso em: 14 de ago. de 2020.

MONTONE, Rosalinda C. Bioacumulação e Biomagnificação. Instituto Oceanográfico da USP. Disponível em: <http://www.io.usp.br/index.php/oceanos/textos/antartida/31- portugues/publicacoes/series-divulgacao/poluicao/811-bioacumulacao-ebiomagnificacao>. Acesso em: 14 de ago. de 2020.

Laminatus Engenharia e Inovação. O que é minério de ferro?. Disponível em: <https://laminatus.com.br/aplicacao-do-rejeito/>. Acesso em: 15 de ago. de 2020.

CARVALHOFernanda. Porque ocorrem tantos rompimentos de barragem em Minas Gerais?.Blog do Mata Nativa. 31 jan. 2019. Disponível em: <http://www.matanativa.com.br/blog/rompimentos-de-barragem-em-minas-gerais/>. Acesso em: 15 de ago. de 2020.

Autor(a): Thais de Castro Martins de Oliveira, graduanda em Bioquímica pela UFSJ e aluna de iniciação científica do Laboratório de Processamento de Tecidos.

E-mail: thaisdicastromo@gmail.com

Compartilhe este artigo:

Bioquímica Brasil

O movimento Bioquímica Brasil foi fundado em 2014 por egressos e estudantes dos cursos de Bioquímica.

bioquimicabr@gmail.com

Bioquímica Brasil

O movimento Bioquímica Brasil foi fundado em 2014 por egressos e estudantes dos cursos de Bioquímica.

bioquimicabr@gmail.com

0 comentários

REDES SOCIAIS & CONTATO

FACEBOOK LINKEDIN INSTAGRAM

bioquimicabr@gmail.com

FACEBOOK
LINKEDIN
INSTAGRAM

bioquimicabr@gmail.com

Bioquímica Brasil ©. Divulgando a ciência Bioquímica desde 2014!